AutorACIAJA

InícioArtigos postados por ACIAJA (Página 10)

Ipeja vai pesquisar a percepção do Jaboticabalense sobre a sua Qualidade de Vida

ipejaComo o jaboticabalense avalia a qualidade de vida que a cidade oferece? Qual é a percepção das pessoas sobre os serviços públicos oferecidos? Como anda o grau de confiança da comunidade nas instituições, organizações ou mecanismos sociais que controlam o funcionamento da sociedade e dos indivíduos.

Para ter estas respostas, o Instituto de Pesquisas Econômicas de Jaboticabal – Ipeja, vai realizar entre os meses de abril e maio um de seus mais profundos trabalhos desde que foi criado pela Aciaja em setembro de 2015. O trabalho intitulado Pesquisa de Qualidade de Vida será realizado pela equipe do Ipeja juntamente com alunos que integram o Projeto Conjuntura Sócio Econômica e Ambiental do Município de Jaboticabal.

A pesquisa também conta com todo o apoio do Núcleo de Economia da ACIRP – Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto.

Serão aplicados, aproximadamente, 400 questionários com a população de Jaboticabal. “Os objetivos específicos da Pesquisa de Qualidade de Vida são: avaliar a opinião da população a respeito das variáveis que impactam na satisfação pessoal dos cidadãos; entender como as variáveis de satisfação pessoal são determinadas em função de diferenças de gênero, faixa etária, escolaridade e nível de renda; verificar o nível de satisfação dos habitantes com a cidade e sua dependência com as variáveis de gênero, faixa etária, escolaridade e nível de renda”, destaca o professor Dr. Adriano dos Reis Lucente, do Departamento de Economia Rural da FCAV – Unesp Jaboticabal.

“Este trabalho terá a função de compreender a importância atribuída pela população a respeito de questões relevantes como bem estar e felicidade; acesso à saúde e cuidados médicos; acesso a oportunidade de emprego e condições de trabalho; a importância dos recursos econômicos; acesso a educação de qualidade; integração social e familiar; direito à habitação; segurança de vida e de propriedade; acesso a recreação e cultura; e o direito a todo e qualquer esclarecimento a respeito da aplicação de recursos políticos. Será um trabalho de fôlego que, temos certeza, será plenamente cumprido com muito sucesso pelo Ipeja”, destaca o presidente da Aciaja, Arthur Dória Guzzo.

Aciaja e empresas privadas mantêm o Ipeja

O Ipeja é fruto de uma parceria entre Unesp, Funep e Aciaja. A criação do Ipeja é o resultado de um longo processo iniciado em 2010, a partir de reuniões entre a Aciaja, Prefeitura de Jaboticabal e Câmara de Vereadores, a partir da constatação de que o município não dispõe de números que expressem o porte da economia da cidade.

O Instituto tem a missão de levantar dados que hoje existem em vários bancos de dados de forma fragmentada. Também levantar números que ainda não estão consolidados. A informação produzida pelo Ipeja será uma ferramenta muito importante para o trabalho do empresariado e sobretudo para o planejamento da administração pública.

O trabalho do Instituto é financiado pelo apoio da Aciaja e das empresas associadas Grupo Rodo Jaboti, Henfel, San Marino Negócios Imobiliários, Teto Materiais de Construção, Cerâmica Stéfani e também pelo Sindicato Rural de Jaboticabal e Senac Jaboticabal.

 

AS EMPRESAS APOIADORAS DO IPEJA

 

 

 

 

Compartilhar

Impeachment Já!

O Brasil vive um período sem precedentes de crises: ética, política, de governabilidade, econômica e, sobretudo, social.

A paralisia decisória que envolve governo e Congresso produz incerteza que trava as decisões empresariais e a vida das empresas, levando a um processo de deterioração que se aprofunda rapidamente e que já atinge de forma perversa a classe trabalhadora e as famílias. A hora agora é de buscar soluções que possam ser implementadas com a rapidez necessária para impedir que não apenas a economia e o quadro social continuem a se deteriorar, como para evitar que as instituições sejam comprometidas e dificultem a busca de caminhos que preservem a normalidade democrática e levem à punição exemplar de todos os envolvidos nos casos de corrupção.

Por isso, apelamos à presidente Dilma para que, em um gesto de grandeza, renunciasse, para propiciar a busca de um entendimento que permitisse começar a mudar o quadro dramático que o País atravessa, evitando o processo de impeachment que retardaria a busca de soluções para a crise. As últimas atitudes do governo, no entanto, mostram que não haverá renúncia, pelo menos no curto prazo, o que nos leva, agora, a apelar à Câmara dos Deputados inicialmente, e a todo Congresso Nacional, para que agilize o processo de impeachment, para abreviar ao máximo o cenário de incerteza que o País vive, e que vem agravando dramaticamente o quadro econômico e social. A Facesp e as Associações Comerciais irão acompanhar o posicionamento dos senhores parlamentares durante o processo, e manterão os empresários e a população informada da atuação de cada um. A palavra de ordem das associações comerciais passa a ser IMPEACHMENT JÁ.

Movimento pró Brasil

É preciso, contudo, nos prepararmos também para depois do impeachment. A Facesp e a ACSP pretendem lançar, com o apoio de outras entidades, o “MOVIMENTO PRÓ BRASIL”, que terá como finalidade manter a mobilização da população em relação aos assuntos políticos, participando de forma ativa das discussões sobre a reforma política e a lei eleitoral, para que a nova legislação possa assegurar a governabilidade e permita ao eleitor maior controle da atuação dos parlamentares eleitos.

Alencar Burti, presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

Compartilhar
Continue Lendo

A solução para não precisar de alguém para emprestar o nome para formar uma sociedade

drharoldoDr. Haroldo Bianchi

Como se sabe, a firma individual não é pessoa jurídica, mesmo tendo um número de CNPJ. A principal consequência disso é a não separação do patrimônio adquirido com os lucros da empresa, daquele construído com esforços particulares.

Sendo um patrimônio único, o imóvel comprado com dinheiro da rescisão do contrato de trabalho, registrado no CPF do proprietário, assim como o veículo conseguido com lucros da empresa e registrado no CNPJ, poderão ser penhorados para pagamento tanto de dívidas da empresa (fornecedores, débitos trabalhistas, financiamentos bancários), como também do cartão de crédito que só é utilizado para compras da família em supermercados.

A EIRELI – Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, criada pela Lei  nº 12.441/2011, não obstante ser, em essência, uma firma individual, a lei definiu-a como pessoa jurídica. Trata-se de uma ficção jurídica, na verdade.

Há um sem número de sociedades empresariais limitadas, cujo quadro societário é composto de dois sócios, um com 99% das cotas sociais e o outro, com apenas 1%. Geralmente o sócio que detém somente 1% das cotas sociais não tem direito a retiradas pró-labore nem poder de gestão da empresa. Na prática é alguém que “emprestou o nome” a outrem, somente para a constituição formal de uma sociedade limitada, que precisa ter ao menos duas pessoas físicas como sócios. O  sócio que detém 99% das cotas sociais acaba operando a empresa sozinho.

Mas ser sócio de alguém, ainda que com apenas 1% ou menos das cotas sociais, fazendo um “favor” ao amigo (sócio majoritário e com poderes de gestão) pode trazer consequências desagradáveis. Muitos débitos da sociedade podem

acabar atingindo o patrimônio pessoal dos sócios, principalmente nas áreas  trabalhista, tributária e do consumidor.

Por isso, aconselha-se que as sociedades limitadas que têm sócio só para efeitos formais (sócio que “emprestou o nome” a outrem) promovam alteração do tipo societário para EIRELI.

Determina o artigo 980-A, § 6º, do Código Civil que “Aplicam-se à empresa individual de responsabilidade limitada, no que couber, as regras previstas para as sociedades limitadas.” Assim, o titular de uma EIRELI, que é apenas uma única pessoa física, poderá constituir dois patrimônios – o particular e o da empresa.

Credores da empresa, para conseguirem penhorar bens particulares, terão de obter judicialmente a chamada desconsideração da personalidade jurídica, exatamente como teriam de proceder se se tratasse de uma sociedade limitada.

Assim, o principal mérito da EIRELI foi finalmente possibilitar ao empresário individual constituir dois patrimônios distintos (o particular e o da empresa), proteção que nunca esteve ao alcance da firma individual tradicional, conforme dissemos de início.

*Dr. Haroldo Bianchi é advogado e consultor jurídico da Aciaja

Compartilhar
Continue Lendo

Reconhecimento – O bom momento do empresariado jaboticabalense

UCB

Conquistando um espaço cada vez maior nos mercados nacional e internacional, a UCBVET Saúde Animal, fundada como Uzinas Chimicas Brasileiras, é um dos nomes mais respeitados do setor e figurou, no 10º Anuário do Agronegócio, editado pela revista Globo Rural em 2014, entre as 10 melhores empresas da área. A indústria de medicamentos veterinários possui, em seu portfólio, 54 produtos em 84 apresentações fornecidos para todo território nacional e diversos países.

 Sua equipe é composta por profissionais altamente qualificados, que incluem médicos veterinários, farmacêuticos, químicos, biólogos e zootecnistas. As linhas compreendem medicamentos veterinários de ação terapêutica (hormônios, anti-inflamatórios, analgésicos, antitóxicos e reconstituintes orgânicos), antiparasitários (endectocidas, endoparasiticidas e ectoparasiticidas) e antimicrobianos.

A companhia possui laboratórios em Jaboticabal e uma unidade de negócios em Ribeirão Preto, ambas no interior do Estado de São Paulo. Uma das mais tradicionais empresas do segmento no Brasil, a UCBVET Saúde Animal fabrica medicamentos para animais de produção (bovinos, bubalinos, suínos, ovinos, caprinos, equinos e aves) e de companhia (cães e gatos) desde 1917, quando foi criada pelo empresário João Brunini.

Filtros Stéfani

A crise hídrica foi responsável pelo aumento de vendas dos filtros cerâmicos e acessórios da Cerâmica Stéfani. A empresa informa que as vendas cresceram 19% nos últimos 6 meses e projeta um faturamento de R$ 30 milhões em 2015, ante uma receita de R$ 26 milhões no ano passado. O tradicional filtro São João, o mais vendido até hoje pela Stéfani, recebeu a classificação P3 do Inmetro, a melhor, concedida aos purificadores que retêm as menores partículas.

Entre as principais vantagens e diferenciais do filtro de barro, está o baixo custo de manutenção e a capacidade de refrescar a água de modo natural, sem gasto de energia elétrica. Isso porque a cerâmica diminui a temperatura da água, em média, em até 5 graus centígrados.

É tudo isso que faz de você um empresário.

É verdade que estamos passando por tempos difíceis.
Mas isso não é uma novidade para você, que sempre soube superar obstáculos.
Seguir em frente. Enfrentar desafios. Persistir. Fazer boas escolhas. Crescer.

É tudo isso que faz de você um empresário.

Já contabilizou quantas vitórias alcançou ao longo da vida?
A verdade é que você e sua história são maiores do que qualquer dificuldade.
Afinal de contas, quanto tempo e energia você dedicou.
Não foi nada fácil chegar até aqui.
Por isso, mais do que nunca é hora de confiar na força da intuição.
E na sua capacidade de empreender.
E nós estamos juntos com você em toda caminhada, como sempre foi.
Porque também acreditamos na força da união, da parceria.
Conte sempre com a gente, para o que precisar.
Que 2016 seja um ano novo repleto de conquistas.

Compartilhar
Continue Lendo

Proximidade com o produtor e estratégia comercial são as armas contra a crise

coplana

O amendoim é o principal produto exportado por Jaboticabal e responsável pelo balanço positivo de US$ 24,26 milhões da balança comercial do município em 2014, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

A Coplana – Cooperativa Agroindustrial – teve papel fundamental no bom desempenho das exportações jaboticabalenses e, sobretudo, pela consolidação das culturas da cana e grãos na região.

Englobando 190 municípios, compreendidos nas regiões do Oeste do Estado de São Paulo, Alta Mogiana e Triângulo Mineiro, a Cooperativa reúne 1.170 cooperados, a maioria deles composta por pequenos e médios proprietários que produzem cana e culturas em rotação, como amendoim e soja, além de milho. Em menor escala também atende a produtores de frutas e outras culturas. Supre as necessidades dos cooperados no fornecimento de insumos, em condições competitivas de mercado, priorizando a assistência técnica.

Presidida por José Antonio de Souza Rossato Junior, a Cooperativa foi pioneira no estímulo e na profissionalização da rotação de culturas amendoim-cana e na mecanização do campo e da pós-colheita. Por sua característica de suporte ao produtor, é principalmente nos momentos de crise que a Coplana busca, com ainda mais ênfase, alternativas para viabilizar a produção.

A Coplana mantém, em seu corpo técnico, uma equipe especializada que tem como objetivo principal promover atendimento ao produtor. O serviço é uma referência na região, pelo conhecimento dos agrônomos e técnicos agrícolas e pelo modelo de trabalho, que adota a postura da promoção de tecnologias, ferramentas e insumos para a sustentabilidade da lavoura. O foco está na busca se soluções viáveis e que tenham uma compensadora relação custo-benefício.

O Departamento de Tecnologia Agrícola e Inovação elabora, junto a produtores e pesquisadores renomados do país, planos de ação com foco em fatores como: aproximação da Coplana com institutos de pesquisa e universidades; criação de protocolos técnicos para o aumento da eficiência das culturas; agricultura de precisão; capacitação do produtor nos âmbitos técnico e gerencial.

coplana2Vencendo a Crise

Com 52 anos de atuação no mercado, a Coplana já vivenciou muitas oscilações na economia e reconhece  a crise como um processo cíclico. Para vencê-la, a Coplana estabelece estratégias que promovam a sustentabilidade da produção e dos negócios dos cooperados. Exemplo disso foi o lançamento, neste ano, da iniciativa +Cana, uma ação inédita entre Coplana, Socicana e IAC, que tem por objetivo promover a longevidade e produtividade dos canaviais, mantendo o produtor na atividade.

A ação inicial do +Cana é a mudança do modelo de plantio para o sistema de Mudas Pré-Brotadas, que promove sanidade e qualidade à cultura, além de autonomia para o agricultor produzir sua própria muda. Esta iniciativa deve mudar, nos próximos anos, o modelo de plantio e configura-se como um divisor de águas para a região e o país.

A Coplana inaugurou em outubro a nova Loja de Jaboticabal, que atendeu a um minucioso estudo de viabilidade econômica. A Cooperativa aponta a loja como um empreendimento seguro, concebido para aprimorar o atendimento ao cooperado. Em dia com as tendências da arquitetura, seu padrão construtivo adota como critérios de sustentabilidade a eficiência energética, utilização da luz solar e a captação da água da chuva e uso racional de recursos materiais. Em relação às boas práticas agrícolas, adota a destinação correta de embalagens de defensivos, sistema em que é pioneira no país, servindo de referência desde 1994, quando implantou a primeira Central de Recebimento de Embalagens Vazias do Brasil.

Linha do Tempo

 

1963
A Coplana é fundada
1984
A cooperativa estabelece a Unidade de Grãos com o objetivo de viabilizar as culturas do amendoim, milho e soja.
1985
A cooperativa destinada a plantadores de cana se diversifica e abre seu Estatuto Social para permitir o ingresso de produtores de diversas culturas. Passa a associar também produtores de soja, milho e frutas, consolidando-se na rotação de culturas

 

1997
É iniciado o processo de mecanização integral da lavoura de amendoim e a introdução da variedade rasteira Runner, adequada para a mudança de paradigma.
1997
Para alinhar o novo perfil de negócios a Coplana muda sua razão social, de Cooperativa dos Plantadores de Cana da Zona de Guariba para Coplana – Cooperativa Agroindustrial.


Pioneiros 

A Coplana foi fundada em 28 de março de 1963 por 13 produtores rurais, que perceberam no cooperativismo a única forma de promover o crescimento da atividade.

coplana3Fundaram a Coplana Antonio José Rodrigues Filho, também o primeiro presidente, que ficou no cargo entre os anos de 1963 e 1966. Além dele, Américo Guzzo, Benedito Zurita, Ernesto de Angelis, Frederico Dias Guillon, José de Souza Teixeira, Plínio Botelho do Amaral, Álvaro de Abreu Sampaio Dória, Francisco Pacífico, Hermínio de Laurentiz, José de Laurentiz Júnior, Orlando Petrassi e Moacyr de Andrade Lemos, que ainda está em atividade, compõem a formação inicial da cooperativa.

Inicialmente, a Coplana atendia a seus cooperados exclusivamente para a compra conjunta de insumos para alcançar ganhos de escala. Como todo empreendimento, os pioneiros tiverem de buscar informações para aquele modelo novo que se construía. As reuniões eram frequentes para decidir sobre os formatos possíveis. Uma das grandes dificuldades era a aquisição de insumos e a falta de poder de compra quando realizavam as negociações com os fornecedores isoladamente.

Com a abertura da Cooperativa também foi possível melhorar a assistência técnica, algo fundamental. E mesmo em um período em que o termo sustentabilidade nem era utilizado, estes produtores já buscaram a perenidade dos negócios por meio da ajuda mútua e da iniciativa coletiva. Os 13 pioneiros eram na verdade visionários, com um diferenciado espírito empreendedor.

Unidade de Grãos

coplana4A cooperativa produz o Coplana Brazilian Premium Peanuts, amendoim altamente selecionado para atendimento da indústria de qualidade dos mercados interno e externo. Para garantir a produção do alimento seguro, possui programas de qualidade, como o “Boas Práticas de Fabricação” e “Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle”, além do aval de diversas certificações.

A certificação internacional BRC – British Retail Consortium, exigência do mercado europeu, é considerada uma das mais seletivas do mundo. A Coplana classifica-se com Grau A, mais alto da certificação, desde o início desta avaliação, em 2010, e mantém seu status nos anos seguintes.

A Cooperativa integra ainda o Sedex – Supplier Ethical Data Exchange, organização não governamental mantida por 150 países e reconhecido banco de dados que promove a transparência nas relações de corporações de todo o mundo.

É certificada pelo Programa Nestlé Responsible Sourcing, baseado no ETI, Ethical Trade Initiative. Possui, ainda, a certificação Kosher, que determina padrões para a comercialização com a Comunidade Judaica.

Na Unidade de Grãos, o beneficiamento é automatizado, a seleção dos grãos é eletrônica e a qualidade do produto atestada por análises físico-químicas permanentes. Já líder na oferta de amendoim blancheado (sem película) de alto padrão para as indústrias do país e exterior, a Coplana instalou também uma planta de amendoim semielaborado: granulado tostado, em embalagem a vácuo.

Governança para a perenidade dos negócios

Por tratar-se de cooperativa, a Coplana adota os critérios da Gestão Democrática e Participação Econômica dos Membros.
O conselho de administração é eleito pela Assembleia Geral, composta pelos cooperados. Em seus aspectos de governança, a Coplana adota alguns modelos, responsáveis por seu elevado grau de transparência e profissionalismo.
Há um Conselho consultivo formado por ex-diretores, com o papel de discutir temas propostos pelos dirigentes.
A estrutura também prevê a participação de dois Conselheiros independentes, profissionais das áreas de agronegócio e setor financeiro, que auxiliam a tomada de decisão. Há ainda os Comitês de Crédito e Finanças, para Gestão de Riscos e de Sucessão.

Raio X

Mercado:
A Coplana detém 38% das exportações brasileiras de amendoim, cujo destino envolve mais de 45 países, principalmente da União Europeia.
Unidades:
Matriz em Guariba, com estrutura administrativa, loja e atendimento na área de insumos, filiais (Loja e Atendimento na área de Insumos) em Jaboticabal, Taquaritinga, Dumont e Pradópolis. Postos Avançados (escritórios com pessoal técnico) em Colina, Catanduva, Batatais, Monte Aprazível e Frutal (MG).
Número de funcionários: 440

Compartilhar

Pesquisa do Ipeja revela os preços dos materiais escolares

ipeja

O Instituto de Pesquisas de Jaboticabal (Ipeja), criado no fim de 2015, já dá mostras do mapeamento econômico que pretende fazer no município este ano. O instituto vinculado à Aciaja, e fruto de parceria com a Unesp de Jaboticabal, já foi a campo para coletar os dados para duas pesquisas: uma voltada para traçar o perfil do setor industrial e outra sobre a variação de preço dos produtos do período de volta às aulas.

O Ipeja tem a missão de levantar informações que hoje existem em vários bancos de dados de forma fragmentada. Também vai levantar números que ainda não estão consolidados. Nascido sob a chancela da Unesp, via Funep, o instituto tem o trabalho de pesquisa coordenado pelo Prof. Dr. Adriano Reis Lucente, docente do Departamento de Economia Rural da Instituição.

As pesquisas de caráter econômico também balizarão a nova curva do crescimento que deve permear o país após a crise de 2015. Por isso, mapear informações atuais e de acordo com a realidade do mercado hoje são fundamentais para entender o tamanho e o potencial de uma cidade como Jaboticabal.

Pesquisas em andamento

  • Perfil do Setor Industrial de Jaboticabal
  • Mapeamento das informações econômicas, como admissão e demissão, exportação e importação, questões organizacionais, principais problemas enfrentados, etc.
  • Pesquisa Volta às Aulas
  • Levantamento de preço de materiais escolares comuns, e de uso geral, neste período de retorno às aulas, com diversas papelarias do município.

Pesquisas para 2016

 

Pesquisas Setoriais

  • Mapeamento econômico e perfil dos setores comercial, de serviços e agronegócios.

Pesquisas Sazonais:

  • Páscoa
  • Dia das Crianças
  • Natal

Qualidade de Vida:

O Ipeja vai iniciar, em 2016, uma série anual de pesquisas que vai medir a percepção da população jaboticabalense sobre a cidade. Itens como confiabilidade e avaliação das ações das instituições públicas, questões relativas a emprego, saúde e educação farão parte da avaliação

Contrate uma pesquisa para sua empresa

A pesquisa de mercado é uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento das empresas. Promove a visão ampla e específica do próximo passo a ser dado em termos de investimento e mercado. O Ipeja realiza pesquisas sob encomenda para as empresas. Para obter mais informações, entre em contato com a Aciaja pelo telefone 3202 0315.

Compartilhar

Sinal Verde – A arma das empresas contra a inadimplência

Dezenas de empresas jaboticabalenses de todos os portes e segmentos já aderiram ao Sistema de Análise de Crédito Sinal Verde, oferecido pela Aciaja desde a metade do ano passado. O novo serviço simplifica o dia a dia e reduz o risco de inadimplência.

sinalverde

O Sinal Verde é um Distribuidor Autorizado Serasa Experian e a ACIAJA terá exclusividade da franquia na região de Jaboticabal.

Entre os serviços prestados estão a consulta de cheques, a análise de pendências financeiras e dados cartoriais. As informações são obtidas diretamente junto ao Cadastro de Cheque sem Fundos do Banco Central, o CCF – Bacen, que abrange todas as praças do país.

Total confiabilidade e agilidade do sistema de acesso ao Serasa Experian são garantidos pelo novo serviço. O associado não paga nenhuma taxa para aderir ao Sistema, recebe seu login e senha e pode fazer as consultas, cujos valores ficam entre R$ 0,56 e R$ 30,00 cada uma, dependendo de sua complexidade.

As consultas a pessoas físicas e jurídicas permitirão conhecer a sua ficha de crédito, a ocorrência de emissão de cheques sem fundos, pendências financeiras, protestos estaduais e nacionais e, em um processo mais aprofundado, informações sobre participações em quadros societários de empresas.

O serviço é dirigido a pequenas e médias empresas de todos os segmentos, e também a profissionais liberais, e já está disponível para associados, facilitando a negativação junto ao Serasa.

Compartilhar
Continue Lendo

Unidade móvel do Sinduscon presta atendimento odontológico a colaboradores de construtoras de Jaboticabal

sindicato

 

Visando aumentar sua presença em Jaboticabal, a Regional de Ribeirão Preto do Sindicato da Construção Civil – SindusCon-SP promoveu, em parceria com o Seconci-SP, uma sessão de atendimento odontológico gratuito ao trabalhador durante a manhã do dia 13 de novembro, no pátio da Teto Materiais para Construção.

Na ocasião foram realizados pequenos procedimentos bucais, identificação de problemas maiores e encaminhamento para tratamento específico. Além do Seconci, a presença da entidade em Jaboticabal é fruto de parceria com a Aciaja e a Associação Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Jaboticabal (Area).

O diretor da Regional de Ribeirão Preto do SindusCon-SP, Fernando Junqueira, destacou a importância estratégica de Jaboticabal para a realização de mais ações. “Trabalhar em Jaboticabal era um antigo sonho do SindusCon-SP. É uma cidade muito interessante, com um setor de construção extremamente importante, com grandes construtoras de relevância inclusive nacional”, afirmou Junqueira.

Este primeiro evento em Jaboticabal, segundo o diretor da entidade, foi voltado exclusivamente para a saúde do trabalhador, mas outras atividades, voltadas para a área da educação, por exemplo, também devem ocorrer futuramente. Além disso, este trabalho voluntário tem como objetivo final “estender o atendimento à família do trabalhador, o que já ocorre em Ribeirão Preto”, finalizou Junqueira.

Compartilhar
Continue Lendo

O Empresário e gestor público Dé Berchielli é homenageado

de01A presença de Carlos Roberto Dé Berchielli esteve mais viva do que nunca na homenagem que a Associação Comercial, Industrial e de Agronegócios de Jaboticabal – Aciaja, prestou ao empresário, político e gestor público na noite de 4 de novembro.

Falecido em abril de 2015, Dé recebeu a homenagem por meio de discursos de amigos, colegas e de nomes que participaram de sua vivência política e empresarial, como o ex-prefeito José Carlos Hori. Ele abriu os discursos da  noite ressaltando a lealdade como característica marcante do homenageado. Também deixaram seus depoimentos o presidente da Câmara Municipal, o médico Carlos Eduardo Pedroso Fenerich, e o vereador Wilsinho Locutor.

E impossível pensar na vida política de Jaboticabal nos últimos 20 anos sem a sua presença. As empresas locais também devem muito a ele. Foi um dedicado secretário da Administração Municipal durante o governo Hori; também ocupou cargos na atual gestão do Prefeito Raul Girio.”, destacou o presidente da Aciaja, Humberto Montans Bellodi durante a cerimônia.

A homenagem emocionou a esposa Hilda, as filhas Bruna e Flávia, genro, irmãos e cunhada e amigos de Dé Berchielli. A Aciaja fez a entrega de um quadro contendo logotipos de todas as empresas, instituições, associações, órgãos públicos e partidos políticos do qual participou. O quadro foi montado pelo próprio Dé, cerca de dois anos antes de seu falecimento, como forma de reunir suas memórias.

Dé Berchielli foi fundador e dirigia a Escola Nossa Senhora do Carmo. Foi eleito em 1976 pela primeira vez, como vereador mais novo do estado de São Paulo, presidiu a Câmara de Vereadores entre 1987 e 1988, foi assessor parlamentar, secretário municipal de Planejamento, Administração e Governo, juiz classista, presidente do Atlético e da Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaboticabal, de 1979 a 1982.

Também participaram da homenagem a imprensa, empresários e diretores da Aciaja, assessores parlamentares, a vereadora Andréa Delegada e o Secretário Municipal de Governo, José Paulo Lacativa.

Compartilhar
Continue Lendo