AutorACIAJA

InícioArtigos postados por ACIAJA (Página 8)

ACIAJA recebe curso de atendimento ao cliente

educacao-aciaja

A ACIAJA realizou, nos dias 6, 7 e 8 de junho, o curso “Conquiste o cliente pelo atendimento”, conduzido pelo facilitador Marcio Pessolo. O evento, promovido pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo – Facesp, foi realizado em parceria com a Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto – Acirp.

No final, os presentes avaliaram a importância do curso e a fluência do professor nos temas apresentados, sempre com índices muito positivos (resultados variaram entre ótimo e muito bom). Eles deixaram, também, sugestões de temas para novos eventos: Técnicas de Vendas e Recrutamento e Seleção.

Para os alunos, o curso apresentou resultados positivos em todos os indicadores, tais como: Novidades e Importância das Informações; Utilidade para o Desenvolvimento Profissional; Aplicabilidade dos Conhecimentos na Empresa; e possibilidade de participação em novos cursos promovidos pela ACIAJA.

Compartilhar

Entrevista: Jéssica Moreira Ferreira – Colecionando conquistas

2013 foi o ano que mudou para sempre a vida da administradora de empresas, com MBA em gestão de pessoas, Jéssica Moreira Ferreira. Em decorrência do acidente sofrido em novembro de  2013, com apenas 26 anos de idade, ela tornou-se paraplégica.

foto-2

Ela foi do luto à luta. As dificuldades foram grandes, mas o desejo de superação foi maior. Há cerca de um ano e meio, Jéssica treina e se especializa como paratleta de alto rendimento nas modalidades na modalidade handcycling/handbike. Tanta dedicação já tem rendido grandes resultados: Jéssica conquistou em 2015, o primeiro lugar no campeonato paulista de paraciclismo, depois de ter se sagrado por seis vezes vice-campeã brasileira de paraciclismo.

Ela só não conseguiu alcançar a marca para participar da Paralimpíadas do Brasil, já em 2016, porque não dispunha do equipamento necessário para o rendimento na sua categoria.

Jessica conta com o apoio do grupo formado pelas empresas Guzzo Construtora, Academia Cardiofisico, Fae – Jaboticabal , SNC Fiusa Ribeirão Preto e EXKP.
A história dessa jaboticabalense de 28 anos, emociona, mas sobretudo, motiva: “O paradesporto, é demasiadamente importante para a reinserção do deficiente físico, traz  benefícios morais e psicológicos. Nos torna mais fortes fisicamente para a execução das atividades do dia a dia. O deficiente físico, torna – se mais independente. Muitas vezes chegamos a desenvolver atividades físicas que uma pessoa sem deficiência não consegue executar e isso gera uma satisfação de vitória e prazer. O esporte é uma porta para a superação de um trauma como o meu. Daí em diante é possível chegar ao alto rendimento ou aproveitar toda a autoconfiança para trilhar outros caminhos.”, afirma Jéssica busca apoio, agora, para equipar o equipamento, com rodas próprias e outras peças exigidas para o esporte de alto rendimento e valores mensais para treinamentos que depende do patrocínio de empresas.

Empresas e pessoas que queira apoiar a trajetória de conquistas de Jéssica podem entrar em contato pelo e-mail: jessica.mmferreira@gmail.com

foto-trofeu
Compartilhar

ELETROFIO 20 ANOS

eletrofio-01

Entre a agricultura e o comércio, os empresários escolheram os dois!

A Eletrofio nasceu há vinte anos. A empresa abriu suas portas em Jaboticabal no dia 17 de junho de 1996. A iniciativa de investir veio da opção dos irmãos Renato e Ricardo Bueno em diversificar as atividades. Os dois são, tradicionais empresários rurais e, deixaram de investir temporariamente em uma das propriedades da família, para gerar recursos para o ingresso em um novo segmento:  a loja de materiais elétricos, cujo primeiro endereço foi a Rua São Sebastião.

Eles avaliaram na época, que o comércio de Jaboticabal precisava de diversificação. Também tinham amigos que já possuíam loja de materiais de construção e de tintas e resolveram fazer parte desse mix. Na opinião dos empreendedores, observar o mercado é muito importante. Como eram empresários rurais exclusivamente, eles não tinham experiência na atividade comercial, mas contaram com grande apoio e incentivo para abrir a loja, além de um grupo de colaboradores que eles consideram como “muito especiais”, desde o início do negócio.

A Eletrofio também é o reflexo da impressionante evolução da tecnologia do setor elétrico do país, nos últimos 20 anos. A Eletrofio orienta-se pela tecnologia para renovação de estoques.

A crise energética do início dos anos 2000 deu um empurrão no mercado das lâmpadas de baixo consumo no Brasil e a Eletrofio acompanhou esse movimento. “Não me esqueço até hoje. Para reduzir o consumo de energia elétrica, todos queriam lâmpadas fluorescentes, que são mais econômicas do que as incandescentes. O Brasil não dispunha de estoques dessas lâmpadas suficientes para suprir a demanda. Por um incrível senso de oportunidade, depois de pesquisar muito, encontramos um fornecedor que ainda tinha lâmpadas. Investimos todo o dinheiro do fluxo de caixa da empresa na compra de  lâmpadas fluorescentes. Eram 3 mil lâmpadas. E conseguimos vender todas entre o meio dia do sábado até às duas da tarde da segunda-feira. Teve consumidor da região que queria levar o estoque todo, e nós não deixamos, porque sempre tivemos compromisso com o nosso cliente de Jaboticabal”, destaca Ricardo.

Gestão e Tecnologia

Os empresários acreditam que a aposta em tecnologia e gestão são pilares fundamentais para o sucesso do negócio. “Iniciamos a empresa anotando os pedidos na mão. Mas já notávamos a importância da informática e caminhamos para adquirir o primeiro computador para o controle do estoque”, afirmam.

A inspiração para empreender vem de visitas a feiras especializadas e contato permanente com fornecedores, que antecipam as tecnologias. Toda a atenção também à gestão: “ela é fundamental no momento como o atual em que vivemos uma economia globalizada. Ganhamos na compra bem feita”, adverte Renato.

“Nós trabalhamos muito para realizar uma venda técnica. Temos pessoas que nos acompanham desde a fundação da empresa. São profissionais altamente qualificados, que prestam orientação a clientes finais. Estamos prontos para orientar e até mesmo realizar cálculos luminotécnicos. Temos arquitetos, engenheiros e eletricistas como parceiros. Ao longo destes anos, estamos certos que contribuímos para formar pessoas”, declaram.

Sem sazonalidade

A cautela não impede a expansão da Eletrofio. “Em comparação com a agricultura, o comércio é mais atrativo em termos de rentabilidade, mas também mais desgastante. Todo o foco deve ser ajustado para o relacionamento interpessoal. Apesar das crises, não existem tantos altos e baixos na atividade comercial. A agricultura, além de sazonal, depende de múltiplos fatores”, avaliam.

A sociedade de irmãos é composta por dois empresários de diferentes perfis. Enquanto Ricardo gosta de buscar novidades, de enxergar o macro do negócio, Renato tem todo o mérito do detalhe. Ele é perfeccionista na negociação com fornecedores, e a esse comportamento devem muito dos bons resultados conquistados.

Raio X

Do total da receita, 70% vem da venda de produtos básicos, como fiação e disjuntores. Lustres e acabamentos representam 30% do faturamento em média. A Eletrofio atende ao mercado microrregional formado pelas cidades de Taquaritinga, Taquaral, Taiuva, Taiaçu, Guariba e Jaboticabal.

O consumidor já começa a perceber que é acessível e, parte dele já está fazendo a migração direta para o LED, que dura mais e são até 85% mais econômicas que as comuns.

Compartilhar

DIA DAS MÃES – Aciaja realiza ação para estimular empresários do comércio

dias-maes-aciajaO Dia das Mães é a segunda data mais importante do calendário do varejo brasileiro, em termos de faturamento. Como forma de contribuir para potencializar a perspectiva de ganhos desse segmento, a Aciaja desenvolveu uma campanha eletrônica dedicada ao empresariado local, com ações de marketing.

O objetivo foi estimular os proprietários de lojas a adotar iniciativas para favorecer a permanência no consumidor no comércio local, mesmo aqueles que não comercializam produtos femininos, puderam se beneficiar do movimento propiciado pelo horário especial de atendimento das lojas.

Compartilhar
Continue Lendo

EPTV realiza palestra no Auditório da Aciaja

eptv-aciaja eptv-aciaja02

Em parceria com a EPTV, a Aciaja promoveu a Palestra “Como otimizar o investimento em Propaganda” na manhã do dia 02 de junho. O encontro entre a emissora e os empresários foi iniciado com um café da manhã e logo após foi ministrada a Palestra e abordado o retorno sobre o investimento realizado.

 

Compartilhar
Continue Lendo

Responsabilidade Salarial do Empregador no Auxílio- Doença do Empregado: 15 ou 30 dias?

“…Reforma na Previdência está sempre na pauta dos governos. O recém empossado Ministro da Fazenda Henrique Meirelles já noticiou que planeja reformar – mais uma vez – a Previdência Social. A história mostra que “reforma” é um eufemismo, que significa, na prática, aumento direto ou indireto da carga tributária do setor produtivo.”

No dia 30 de dezembro de 2014, portanto já no apagar das luzes, foi editada a Medida Provisória nº 664, que trouxe substanciais alterações à Lei nº 8.213/1991, conhecida como Plano de Benefícios da Previdência Social. Essa Medida Provisória, juntamente com a de nº 665 (que trouxe alterações no seguro-desemprego), constituiu-se numa mini reforma da Previdência.

Aliás, diga-se de passagem, que reforma na Previdência está sempre na pauta dos governos. O recém empossado Ministro da Fazenda Henrique Meirelles já noticiou que planeja reformar – mais uma vez – a Previdência Social. A história mostra que “reforma” é um eufemismo, que significa, na prática, aumento direto ou indireto da carga tributária do setor produtivo. Para os trabalhadores, reforma na Previdência indica, invariavelmente, que será mais difícil se aposentar e o valor do benefício poderá ser menor ou obtido mais tardiamente. E o argumento é sempre o mesmo: a Previdência Social está quebrada e não conseguirá continuar pagando os aposentados e pensionistas. Mas esses são aspectos políticos e econômicos da Previdência. Vamos aos jurídicos.

Tradicionalmente, o auxílio-doença, benefício indicado aos empregados nos casos de invalidez total e temporária (incapacidade absoluta para o trabalho, mas não definitivamente), era pago pela Previdência a partir do 16º dia de afastamento, competindo ao empregador pagar integralmente seus salários durante os quinze primeiros.

A Medida Provisória nº 664/2014 alterou a Lei nº 8.213/1991, que passou a ter a seguinte redação, em seu artigo 60, § 3º: “Durante os primeiros trinta dias consecutivos ao do afastamento da atividade por motivo de doença ou de acidente de trabalho ou de qualquer natureza, caberá à empresa pagar ao segurado empregado o seu salário integral”.

Ocorre que as Medidas Provisórias são inovações no plexo normativo com duração temporal limitada, ou seja, perdem eficácia se não forem convertidas em lei no tempo hábil. A MP nº 664/2014 foi convertida na Lei nº 13.135/2015, mas não integralmente. A redação que a MP deu ao § 3º, do artigo 60, da Lei nº 8.213/1991 não foi contemplada na Lei nº 13.135/2015. Assim, com a perda da eficácia da MP pelo decurso temporal, o § 3º, do artigo 60, da Lei nº 8.213/1991 retornou à sua redação anterior, que é: “Durante os primeiros quinze dias consecutivos ao do afastamento da atividade por motivo de doença, incumbirá à empresa pagar ao segurado empregado o seu salário.”

Assim, a responsabilidade do empregador pelos salários do empregado, quando ele fizer jus ao auxílio-doença, era e voltou a ser apenas em relação aos primeiros quinze dias, competindo ao INSS pagá-lo a partir do 16º dia de afastamento.

Está com dúvida em outras questões jurídicas de seu negócio? A Aciaja oferece a orientação do especialista, Dr. Haroldo Bianchi, que está à disposição dos associados. Ligue (16) 3202-0315 ou (16) 3202-8625 e agende sua consulta.

 

 

 

 

 

 

Compartilhar

Qualidade de Vida do jaboticabalense e a realidade da indústria local são as pesquisas em andamento

ipeja-pesquisa

O Ipeja está realizando a Pesquisa de Qualidade de Vida com a população de Jaboticabal. Até o mês de julho, os pesquisadores do instituto estarão de terça a quinta-feira no Jaboticabal Shopping para fazer a coleta de dados que vão compor os indicadores da pesquisa. O trabalho leva em consideração a segmentação por classe social.

Antes, nos meses de abril e maio, a coleta foi realizada na Praça 9 de Julho.

Como o jaboticabalense avalia a qualidade de vida que a cidade oferece?
Qual é a percepção das pessoas sobre os serviços públicos oferecidos?
Como anda o grau de confiança da comunidade nas instituições, organizações ou mecanismos sociais que controlam o funcionamento da sociedade e dos indivíduos?

Estas serão algumas das questões que o  Ipeja está levantando com a população.

Pesquisa sobre o setor Industrial

Até o final de junho os resultados da pesquisa com o setor industrial de Jaboticabal deverão ser divulgados pelo Ipeja. A aplicação do questionário, que contemplou aspectos como perfis das empresas industriais, quantidade de funcionários e abrangência de mercado, já foi finalizada e agora os pesquisadores estão tabulando os dados obtidos.

A ideia é mapear o status atual do setor industrial do município. Cerca de metade das 397 indústrias de Jaboticabal – vinculadas ao Cadastro Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) – responderam o questionário aplicado pelo Instituto.

Sua empresa também pode contratar pesquisas do Ipeja

ipejaO Ipeja é fruto de uma parceria entre Unesp, Funep e Aciaja. A criação do Ipeja é o resultado de um longo processo iniciado em 2010, a partir de reuniões entre a Aciaja, Prefeitura de Jaboticabal e Câmara de Vereadores, a partir da constatação de que o município não dispõe de números que expressem o porte da economia da cidade.

O trabalho do Instituto é financiado pelo apoio da Aciaja e das empresas associadas Grupo Rodo Jaboti, Henfel, San Marino Negócios Imobiliários, Teto Materiais de Construção, Cerâmica Stéfani e também pelo Sindicato Rural de Jaboticabal e Senac Jaboticabal.

As empresas também podem contratar pesquisas do Ipeja, que tem metodologia científica e caráter  confidencial. Basta ligar para a Aciaja e obter mais informações: 3202-0315.

Compartilhar

Mapeamento vai revelar o porte do Comércio de Jaboticabal

001

A Aciaja recebeu empresários do varejo no Café Empresarial realizado no dia 21 de junho, no Auditório da Associação, para apresentar o andamento da pesquisa sobre o comércio de Jaboticabal, realizada pelo Ipeja.

A pesquisa está mapeando todo o potencial desse setor produtivo no município, permitindo uma análise mais real dos números do comércio.

O resultado da pesquisa vai atualizar as estatísticas do setor, e apontar as necessidades e potenciais do comércio local, permitindo o planejamento de ações e a definição de investimentos.

O Presidente da Aciaja, Arthur Dória Guzzo, ressaltou a importância do Ipeja para a economia de Jaboticabal. “Nossos empresários têm agora a possibilidade de solicitar à Aciaja, a preços justos, a realização de uma pesquisa de mercado, que é fundamental para nortear seus investimentos e auxiliar no planejamento estratégico da empresa”, afirmou.


Projeto de Conjuntura Socioeconômica e Ambiental de Jaboticabal

O Café Empresarial contou, ainda, com a apresentação do Projeto de Conjuntura do Município – programa de extensão da Unesp que visa sistematizar os dados econômicos, sociais e ambientais de forma contínua. Dessa forma, obtém-se uma análise em perspectiva temporal do desenvolvimento da cidade. O Projeto é conduzido pelos professores doutores Sérgio Rangel Figueira e Ana Claudia Borges, da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp de Jaboticabal.

Caio César da Silva Migano – Aluno responsável pelo Projeto de Conjuntura do Município

Compartilhar

Para tornar mais ágil a contratação de estagiários, Aciaja firma parceria com o PROE

startup-849805

 

logo-proeO PROE é uma alternativa mais econômica para a contratação de estagiários e parte dos recursos pagos para a administração do estágio serão reinvestidos na própria Aciaja,

A Lei 11.788/08 permite que as pessoas jurídicas e os profissionais liberais, contratem estudantes sem que essa contratação gere vínculo empregatício. É a lei de estágio. Em consequência, não existem encargos sociais e trabalhistas nessa contratação.

Para desburocratizar o processo e trazer segurança jurídica à contratação de estagiários, a Aciaja firmou parceria com a empresa PROE.

O estágio favorece o aprendizado, bem como a oportunidade da empresa e do profissional liberal investirem em um recurso em formação, podendo aculturá-lo dentro de seu ramo de atividade.

Atuando como agente de integração em conformidade com a legislação, o PROE realiza todos os procedimentos burocráticos e legais para a realização de um estágio.

O PROE faz a identificação da oportunidade de estágio, identificando as atividades que podem ser desenvolvidas pelo estudante em cada empresa.

Também promove a divulgação da vaga junto às escolas, à legalização dessa relação de estágio e o acompanhamento do estágio, enquanto vigente, observando todos os aspectos legais que envolvem essa relação.

Os estagiários contam com Apólice de Seguro em caso de acidentes pessoais.

“Firmamos uma parceria para tornar o processo de contratação de estagiários pelas empresas  bem  mais simples, flexível e ágil.”, destaca o presidente da Aciaja, Arthur Dória Guzzo. Informações sobre o Programa de Estágios podem ser obtidas pelos telefones 3202-0315 e 3202-8625.

 

Café Empresarial PROE

Realizado em parceria pela Aciaja e o Instituto PROE.
O tema é a implantação de Programas de Estágio. O  Café Empresarial aconteceu no dia 13 de junho no Auditório da Aciaja.

Compartilhar

Diretor da Aciaja empossado como membro da Congregação da Fatec

A Fatec Nilo De Stéfani oferece formação universitária gratuita. 80% dos formados saem empregados da Fatec ou ingressam na área acadêmica, cursando mestrado e doutorado no país e no exterior.

foto-posse-congregação

foto-posse-congregação-1O diretor da  Associação Comercial e Industrial de Jaboticabal – Aciaja, Antonio Carlos Ferraro, foi empossado como membro da Congregação da Faculdade de Tecnologia (Fatec) Nilo De Stéfani, em sessão realizada na manhã de 22 de junho.

A Congregação é seu órgão colegiado máximo, com autoridade para atuar em diversos aspectos da vida acadêmica e permite a participação, entre seus membros, de um representante da sociedade civil organizada.

Campanha

A Fatec encerrou, no dia 13 de junho, as  inscrições para os vestibulares dos cursos de Biocombustíveis e Gestão Empresarial (EaD) para o segundo semestre de 2016. Os cursos são gratuitos e as provas foram realizadas no dia 3 de julho na própria sede da faculdade.

A Aciaja apoiou a divulgação do período de inscrição para o vestibular para alavancar o número de candidatos, já que a Fatec é uma alternativa para a formação universitária gratuita que garante ampla empregabilidade para os formandos.

O presidente da Associação Comercial, Industrial e de Agronegócios de Jaboticabal, Arthur Doria Guzzo, defende o papel da Fatec para o desenvolvimento da economia local: “O EAD em Gestão Empresarial forma profissionais para atuarem em áreas importantes, como todo em áreas administrativas e gerência, finanças, logística, RH, marketing, comércio e também  empreendedorismo. Se compreendermos o perfil e a vocação econômica da nossa cidade, vamos ver que o curso de Biocombustíveis da Fatec forma os universitários que são requeridos pelo mercado”, afirma Guzzo.

Os alunos egressos da Fatec, do curso de Biocombustíveis, abrem oportunidades de trabalho nas áreas de produção energética, setores químicos, siderúrgica, sustentabilidade, gestão ambiental e de resíduos, logística, controle de qualidade, produção agrícola, vendas, manutenção de equipamentos, automatização, indústria alimentícia e farmacêutica.

jornal-fatec

Pesquisa da Fatec Jaboticabal em parceria com a Unesp
teve destaque na capa da edição do Diário Oficial do Estado de 19 de março de 2016.

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar